20 abril 2018

Então eu vi It...

Nenhum comentário:
E achei um lixo.

Antes que vocês comecem a me apedrejar loucamente, fechem a aba deste blog e não o visitem nunca mais, deixa eu dizer que: eu realmente tentei. Tentei mesmo. O que eu mais queria era gostar do remake de It feito no ano passado. Apesar do trailer, das fotos promocionais e de todo o marketing do filme, que total me fez pensar que tinham estragado a história, eu respirei fundo, deixei passar o hype, li o livro e finalmente o assisti. E o que posso dizer é que eu sabia que seria ruim, mas não sabia que seria TANTO.


• Primeiro que O QUE É AQUELE PALHAÇO? Gente, sério, o que fizeram com o meu Pennywise? Talvez eu tenha ficado mal acostumada pela ótima escrita do titio King e pela interpretação maravilhosa do Tim Curry (no filme de 1990; sdds Tim Curry), mas entre tantas coisas ruins em It a pior delas, sem dúvida nenhuma, é o palhaço. Toda a atuação de Bill Skarsgård se resume a ficar pulando bem alto pra "assustar" as crianças - e não sei se culpo ele ou o diretor, mas tendo a colocar a culpa no diretor porque o filme todo tem esse tom de pulinho de susto. Honestamente, ele me pareceu tudo, menos assustador. E nem me pareceu também o palhaço monstruoso que era pra ser: a sensação que ficou é de que o Pennywise é um pedófilo fantasiado de palhaço creepy que fica perseguindo as crianças. Cadê o terror sobrenatural/sci-fi? Ali que não tá. O terror todo ficou concentrado em efeitos toscos (meu amor, se você não achou aquela mandíbula saltada tosca então senta aqui, vamos conversar, deixa eu te indicar uns filmes de terror bons) e jump scare. 

• Falando em jump scare, sério: qualé a necessidade? Primeiro que saiu completamente da ideia original da história, que é a de um ser bizarro que se transforma no medo das crianças e depois de as enlouquecer, mata todo mundo e come os pedaços. O Pennywise não era pra ser assustador. Ao menos não na base do jump scare (sério, eu odeio esse recurso maldito que transformou o terror num amontoado de pulos sincronizados com uma trilha sonora "assustadora"). O verdadeiro terror dele é ser a imagem de um palhaço normal, que poderia passar até por simpático, mas que é aterrorizante por fazer coisas que te enlouquecem e te fazem duvidar da tua sanidade. JAMAIS era pra ser um troço que fica pulando e falando toda hora que você vai flutuar, ou com aquela maquiagem bizarra que de forma alguma seria aceita num circo. E não, eu não sou contra o jump scare. Mas realmente, o recurso tá batido. Os filmes de terror se apoiam apenas nele, e isso até funciona algumas vezes (Invocação do mal e Insidious que o digam), mas It abusa e usa tanto que o filme vira uma cena de pulo com trilha sonora repentina atrás da outra - e isso faz com que a história fique pra escanteio. (O que só faz com que filmes como A bruxa se tornem ainda mais maravilhosos por conseguirem sustentar um terror realmente apavorante contando uma história linear, sem grandes efeitos e mantendo um clima de tensão constante.)

~creepy~

• GEEEEEEENTE, A HISTÓRIA! CADÊ A HISTÓRIA? Tira os jumps scares e sobra o quê? Praticamente nada. Se eu não tivesse lido o livro e visto o filme de 1990, não teria entendido o contexto direito. Agora consegui entender por que tanta gente veio me perguntar coisas da história. Fiquei "ué, mas cês não viram o filme?". E viram. Só que a história não é bem desenvolvida, é totalmente jogada pra escanteio em favor de sustos estapafúrdios que só assustam a crianças que não são acostumadas a jogar videogame ou que não têm bagagem de outros filmes/séries de terror. 

• A sexualização da Beverly foi algo que me incomodou profundamente. No livro e no filme de 1990 (não querendo ser a pessoa chata que "ah, mas no livro...", porém já sendo porque nesse caso não tem como ser diferente), ela é um dos garotos. Todos eles têm seus onze anos e ninguém fica se sexualizando. Não tem cena deles quase tendo ereções ao ver a guria de calcinha e sutiã. Não tem eles babando em cima dela. Não tem ela super desenvolvida e adulta, enquanto eles parecem moleques recém saídos das fraldas. (Sim, existe aquela cena final no livro em que acontece aquela coisa completamente desnecessária. Não, isso não entra no filme de 1990 e foi o único erro do Stephen King no livro inteiro, mas de resto não tem nada de Bev sexualizada como tem nesse maldito remake.) 

• Como terror, é uma ótima comédia. O tanto de risada que dei vendo esse filme é algo que não pode ser normal. O grande problema dele é que é pra ser um filme de terrorzão, é um filme que se leva a sério. Mas como levar a sério um palhaço que fica pulando na tela a cada 5 minutos de filme e umas maquiagens bem malfeitas de gore que pretendem assustar, mas só me fizeram questionar a forma como uso o meu tempo vendo porcaria quando eu poderia estar vendo a segunda temporada de Victoria

E olhe que eu sou uma pessoa que gosta de filmes estranhos e retardados, mas não deu. Sabia que seria ruim, só não sabia que seria o pior filme que já vi. Lixo total, vão ver a versão de 1990 - que é datada sim, mas ainda consegue ser mil vezes melhor do que esse remake dozinfernos.

*Sempre bom lembrar que: Sim, eu entendo que teve muita gente que gostou, mas né, fazer o quê. Não estou tentando ofender quem gostou, antes que venham me tacar pedra, mas apenas listando os pontos que me fizeram odiar o filme e sentir saudade do Tim Curry atuando. 


~eu amo demais essa cena, midesculpem; mas o que é mais assustador do que UM PALHAÇO BIZARRO SAINDO DO CHÃO DO BANHEIRO ENQUANTO VOCÊ TOMA BANHO?!~
x x x x