Patch Adams

Por que eu gostei de Patch Adams tanto assim?

Vamos começar do começo (jura, dona Mia, jura?!): o carinha tentou se matar e fracassou até em morrer. Muita identificação, muito amor no coração. Aí foi se internar por conta própria, mas decidiu que os loucos o ajudaram muito mais do que os médicos abobados que só faziam entupir as pessoas de remédios (como sempre, é incrível; por isso esse tipo de filme é atemporal, porque mostra relações humanas, especialmente relações médico-paciente, que costumam ser uma droga, ainda mais na área psiquiátrica já que, por algum motivo, os psiquiatras tendem a encher seus pacientes de remédios e achar que isso é o suficiente e, olha, tá longe de ser, mas okay).

Então o carinha metido a suicida fracassado e provido de uma inadequação básica na vida (já falei o quanto me identifiquei? pois então) resolveu que seria médico por motivos de: vamos ajudar o povo doente com alegria no coração e não apenas com remédios de montão, eeeeh! o/

(muita alegria no coração dessa pessoa) 

Filme bonito, baseado numa história real. Daqueles que nos fazem refletir um "what the hell am I doing with my (painful) life?". Afinal, se o carinha tivesse insistido em morrer, várias pessoas sofreriam mais ainda e nunca se beneficiariam de seus cuidados.

Uma história bonita, uma história inspiradora.
Em uma frase: "Comprimidos aliviam a dor, mas só o amor alivia o sofrimento." 

4 comentários

  1. Nunca tinha ouvido falar do filme, mas você conseguiu instigar a minha curiosidade e estou indo marcar como "quero ver" no filmow. Depois venho comentar o que eu achei.

    macabea-contemporanea.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Um dos melhores filmes feitos. Uma história que precisava ser vivida e contada.

    ResponderExcluir
  3. Adoro. É muito bonito esse filme :)

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  4. fiquei louca de vontade de assistir o filme, entrou para a listinha de to-watch.
    beijos!!

    ResponderExcluir