O assassinato de Roger Ackroyd

Há algumas semanas estava eu em meu curso quando uma de minhas colegas aproximou-se e disse: — Mia, tenho algo pra ti.
— Oi, Sílvia! O que é?
— Então, como ontem você tava dizendo que nunca leu um livro da Agatha Christie, aqui está o melhor livro dela. Se você ler esse e ainda assim não gostar, pode desistir da autora de vez, porque essa é a obra prima dela.
— Nossa! Wow. Obrigada, lerei-o assim que finalizar a leitura atual.

E foi assim que adentrei no mundo misterioso de Agatha Christie.
Sim, em todos os meus anos de leitura nunca havia lido um livro dela até então. Por quê? Não faço ideia. Tenho três livros dela aqui em casa, mas eles simplesmente nunca haviam me chamado. Porém, já que minha querida colega lembrou-se de mim e emprestou-me o tal livro, fiz questão de lê-lo, é claro.

E não é que gostei?!

Não posso dizer que o livro entrou como um dos meus favoritos da vida. Estava mentindo descaradamente se o dissesse. Mas posso dizer, como toda a certeza, que ele é surpreendente. A premissa é bem simples: O assassinato de Roger Ackroyd, um (ou o) dos membros mais célebres da cidadezinha em que se passa o romance.

Agatha criou um narrador-personagem, Dr. Sheppard, o médico da cidade e amigo pessoal do morto, que descreve tudo minuciosamente, especialmente as partes em que Poirot, o detetive, investiga. Ah, sim, pude conhecer o famoso Poirot de que tanto havia ouvido falar. E, cá entre nós: quanta presunção. Prefiro Sherlock Holmes. Mas até aqui novidade alguma, não é mesmo?

Se eu disser mais do que isso, darei grandes spoilers e o legal desse livro é justamente não saber praticamente nada sobre a história. Ou seja: calar-me-ei por aqui. Apenas direi que: que final, senhores, que final. Custei a acreditar no final.

Em um quote: "É singular que, quando temos uma crença secreta que não desejamos comunicar a ninguém, ouvi-la expressa por uma outra pessoa nos leve a contradizê-la furiosamente." 

Se o recomendo? Claro que sim. Mas não procure nada sobre ele na internet, hein. Leia por contra própria e viva a magia de tentar desvendar um mistério intrincado e maravilhosamente simples ao mesmo tempo. 

2 comentários

  1. HAHAHAH Que bom que você gostou. Me lembro até hoje da primeira vez que li Agatha, eu tinha lido todos os Harry Potter que tinham sido lançados e sem nada pra ler, minha amiga me emprestou Mansão Hollow, a minha vida nunca mais foi a mesma. Eu amo Poirot, sei que ele pareceu presunçoso (e é mesmo), mas com o tempo me apeguei e pude notar a genialidade dele (e por isso que ele se acha kkk). Quando puder, leia tb as histórias da Miss Marple, outra personagem frequente nas obras da Agatha. Ela é bem diferente do Poirot e as histórias são incríveis.
    Eu tenho esse livro, mas ainda não li. AINDA. Sou louca pela Agatha (louca mesmo, fanzona sabe? hahaha) e os meus preferidos são Assassinato no expresso do Oriente e Mansão Hollow. De vez em quando costumo alugar os livros dela na faculdade, porque lá na letras eles tem alguns que não tem no meu acervo hauahaua depois eu fico triste em ter que devolver :v A editora dela está relançando quase todos os livros com capas novas, mas ainda prefiro as antigas que tem a assinatura dela como a apresentação do nome da autora <3

    ResponderExcluir
  2. Aiii, a Silvia é um amor ♥
    Saudades de vocês <3
    Nunca li nada da Agatha, mas quero muito ler, e esse livro parece ser muito bom

    Beijinhos
    http://www.sacudindoaspalavras.com.br/

    ResponderExcluir