Será que acordo com um beliscão? (ou: como o fb é um troço dozinfernos)

Acontece que há um mês foi meu aniversário.
Como em todo aniversário, a família estava presente. Bolo vai, salgado vem, tinha o povo que tirava foto. E claro que as fotos mais bonitas foram para o álbum do facebook - porque sim, me deixa. E o que ocorreu após esse maravilhoso evento? Pessoas da igreja que minha família frequenta foram tentar me converter nas fotos, discutir nelas e compartilhá-las apenas para falar mal de mim.


(Update: saí da igreja há uns 4 anos, o povo de lá não está adicionado em minhas redes sociais, porém está nos perfis de irmãos~cunhadas e viram minhas fotos com eles por conta disso, aí se meteram em tudo como sempre porque eu tenho fama de desviada, bruxa, vadia, etc.)


Toda família que se preze, claro, defende os seus.
Menos a minha. Porque o que a minha fez foi dizer "como que você colocou fotos nossas contigo lá? tu é o constrangimento da família, a grande vergonha, ninguém nos respeita na igreja por causa de ti, temos cargo lá, reputação a zelar, tu não tinha esse direito, blablabla". E foi assim que me livrei de mais da metade da família em uma tacada só. No dia do aniversário do meu pai. 5 dias após o meu - sim, me disseram isso dentro de minha casa; muito autocontrole explica por que não arranquei cabelos e dentes alheios.


Um mês se passa e aqui estou eu, tentando não pensar que minha família me rejeita por eu ser o constrangimento, já que não estou na igreja. Aí, passeando pelo facebook da pessoa que diz me amar, vejo algo que me faz mal. (Certas coisas me fazem MUITO mal porque tenho problemas emocionais fortíssimos, sorry) e ao invés de fazer um barraco como poderia ter feito, apenas digo um simples: eca. Só isso. O que a pessoa super compreensiva faz? Diz que "o que os outros vão pensar, que não sei o quê, que isso, porque eu gosto de pessoas, porque não vivo numa bolha que nem tu, porque os outros, porque me falaram isso e aquilo de ti, porque tu isso e aquilo e que vergonha, constrangimento". DE NOVO. E cancela a viagem que seria na semana que vem apenas para me ver.


Muito cansada, sabe?


Minha vida é um looping infinito onde constranjo todos com quem convivo.
Eu não acerto as linhas, as medidas, as coisas. Eu perco um jogo que já estava ganho. Eu sou a vergonha de todos que lidam comigo apenas porque sim. Eu sou um problema existente. Adoram estar comigo desde que seja escondido, que não haja fotos, comentários, nada que os ligue a mim. Porque deuzolivre se alguém falar algo, que vergonha, que constrangimento, como fica a reputação?


Apenas cansada.
Cansada de ser essa pessoa tão errada. Cansada de ser rechaçada por aqueles a quem amo. Cansada de ter feridas abertas o tempo todo por pessoas em quem confio. Cansada de tentar passar mercúrio cromo pra que forme uma cicatriz, porque alguém SEMPRE arranca a casquinha da ferida e ela só fica pior. Já perdi tantos membros que nem sei como ainda caminho.


Só acho que se continuar assim, seria preferível morrer. Se não posso contar nem ao menos com a família, nem com a quem penso me amar, estou fazendo hora extra nesse mundo. 

Não tenho dom pra masoquismo

Me incomoda a falta de respeito.


Não é novidade pra ninguém que convive comigo a lista imensa de traumas que tenho. Sim, traumas. Do tipo: não posso ver ou ouvir falar que passo mal, sinto vontade de vomitar, chorar e bater, tudo ao mesmo tempo. Aí o que o cerumano que diz me amar e blablabla faz? VAI LÁ E POSTA COISAS TRAUMATIZANTES. Em modo público. No facebook.


Posso lidar?
Não, não posso. Porque aparentemente estou sendo criança se reclamo do que me faz tremendamente mal. Sei. Consideração, cadê?


Não tem.
Não precisa ter. Afinal: LIDE COM SEUS TRAUMAS, FIA. Tô lidando, gente, tô lidando. Há anos que lido com  traumas e tento não magoar as pessoas porque "olha, pode não falar/escutar/ver isso perto de mim? sabe como é, eu passo mal, eu tenho um passado horrível e, gente, sério, não dá pra explicar mais do que isso sem escrever um livro de terror, apenas pare", mas alguém dá atento? Não, ninguém dá. Por que dariam, né? É mais fácil fazer o que se quiser, ter o egoísmo como melhor amigo e que se danem as pessoas. Mesmo aquelas a quem você diz amar. Claro.


Depois quando eu excluo a pessoa da minha vida sem mais nem menos, ela ainda fica magoadona perguntando os motivos. NÃO SOU CONSCIÊNCIA DE NINGUÉM, MORRA é a única coisa que tenho vontade de dizer nessas horas.


Porque né?
Cada vez mais me convenço de que a misantropia é o que me resta. De vez. O ser humano não merece minha existência. 

"Quem com porcos se mistura, farelos come."

Então Personare disse, em sua Revolução Solar para meu ano:


O ANO DE VIRGEM: DEPURAÇÃO E PURIFICAÇÃO
Virgem é o signo que rege o seu ano, Mia. A ideia por detrás de um ano virginiano é do ritual de purificação: você está num momento propício para medir, refletir, avaliar e, a partir de uma visão racional e analítica, passar uma peneira bem fina em sua realidade circundante, de modo a separar o joio do trigo. Este ato discriminativo, longe de ser algo ruim, lhe permite aperfeiçoar sua vida, tornando-a mais "limpa" em todos os sentidos: dos seus relacionamentos até a sua vida espiritual. Virgem clama à sua alma que utilize este espírito crítico, ainda que muita gente venha a porventura lhe rotular, acusando você de estar "discriminando". Mesmo que isso seja verdade, pensemos aqui: não é importante discriminarmos o que é melhor para nós? Quem disse que nossa existência tem que ser aberta, escancarada a qualquer coisa que queira entrar? Quem com porcos se mistura, farelos come... E a última coisa que você fará, nestes próximos doze meses, é se misturar em excesso. 


Virgem como signo regente anual enfatiza a sua meticulosidade e cuidado na realização de tarefas, até mesmo as mais cotidianas. O senso crítico se amplifica, sobretudo a autocrítica, e você muitas vezes exigirá muito de si. Não ache que alcançará a perfeição, pois tal coisa não é possível. Mas o ato de tentar alcança-la certamente lhe permitirá realizar melhorias substanciais - em si e no mundo circundante. Não há tempo, em processos assim, para ser um poço de simpatia. 


Este é também um ano ótimo para cuidar melhor do corpo e da sua realidade cotidiana material. Virgem é um signo de Terra e, portanto, associado às questões do dia-a-dia, que vão desde se alimentar até cuidar da saúde e organizar as finanças. Uma atenção maior em relação a estas coisas será enfatizada nestes próximos doze meses. Em alguns momentos talvez você se entedie, pois este é um ano de organização da rotina, portanto não espere grandes aventuras ou muita excitação.


Quem me conhece sabe que eu não sou um poço de simpatia.
Em pouquíssimo tempo, me livrei de cerca de 15 amigos - mais ou menos próximos - e não sinto remorso algum disso. Nunca precisei desesperadamente da companhia de alguém e não faço questão de ter grupos de amigos apenas para não estar sozinha.


De fato, Personare não poderia fazer mais sentido.


Eu detesto gente carente ao meu redor.
Gente que não acrescenta.
Gente que faz drama por tudo.
Não é por nada, não, mas eu passei por coisas que a maioria não passa num intervalo de uma vida inteira e não estou fazendo drama por isso. Compostura, maturidade, ululância, sabe? Acho digno que se faça o mínimo do mínimo por si mesmo - ninguém tem culpa se sua vida é uma desgraça. Claro que se pode falar sobre, mimimizar, escrever um blog sobre. Mas não cobrar de outras pessoas atitudes que elas nunca prometeram ter. Não cobrar uma presença constante, um paparico, um drama todo.


Vá fazer drama lá no mato, bem longe de mim.
Hunfs. Me deixa. 

Cala a boca todo mundo

Eu não gosto de música.


Mas assim, isso também é mentira porque gosto de Queen, Elvis, algumas da Legião (só nos dias depressivos, confesso, quando a tristeza não me aguenta Renato Russo entra em cena) e musiquinhas aleatórias que ouvi na infância; ponto. A maior parte do meu gosto musical é composta por boas memórias infantis, no que concluo que não gosto de música, mas sim do sentimento que carrego com elas. Mentira que ninguém gostava de Queen e isso foi uma coisa minha, só minha, de mais ninguém. E também gosto de música que não é cantada - orquestras, música clássica (algumas, veja bem), e afins.
Eu gosto mesmo é de silêncio.


Porém o fato é que basta qualquer animal FALAR o nome de um cantor perto de mim e meu DJ mental (sim, eu tenho um DJ mental; não, eu não sou psicótica) começa a tocar todo o repertório daquele ser. Agora mesmo, estava tranquilamente lendo uma randômica quando surge Ana Carolina no meio e em minha mente começa a tocar:
Eu quero ser uma tarde gris
Quero que a chuva corra sobre o rio
O rio que por ruas corre em mim
As águas que me querem levar tão longe
Tão longe que me façam esquecer
De ti...

Problemas, eu tenho. 
Porque não apenas não gosto de tia Ana Carolina como também não gosto de nada que me tire do meu silêncio sem que eu concorde com isso e não consigo mandar meu DJ mental calar a boca. 


Assim, tenho de colocar outra música mais chiclete ainda pra tocar (e agora está tocando Xibomxibomxibombombom - não sei como se escreve isso, me deixa) para me livrar daquela e isso só passa quando durmo se eu tiver sorte. 


Muito difícil a vida da pessoa que só quer silêncio. 

Abandonei Marina

Sabe quando um livro é tão chato que não se consegue passar da página 26? Pois então.
Eu nunca tive problemas com um livro a ponto de não conseguir passar de páginas iniciais. Já larguei leituras faltando pouco pra o final porque sim (me deixa), mas nunca parei no início. Porém, não consegui ir adiante com Marina. Muito chata essa menina.


Eu não gosto de livros que se passam em internatos.
Só pode ser esse o problema. Não, não é. Geralmente não gosto de livros latinos, visto que já larguei de mão Marina (espanhol), O Ateneu (que também é sobre um internato e que.coisa.chata), Dom Casmurro (alguém realmente se importa com Bentinho? que personagem mais blergh; Machado era chato, ponto - mentira, gosto de ALGUNS poemas do dito cujo) e só. Em 18 anos de vida literária (aprendi a ler aos 2 anos, me deixa) apenas abandonei 3 livros. Porque sim. Porque amo ler.


Coisa mais rara eu abandonar uma leitura.
Porém não consigo engolir autor prolixo. Aquele autor que detalha até a toalha da mesa sem fins para tal, apenas para preencher páginas e o livro não virar um conto. Chato isso. Se a pessoa não tem criatividade então que se dedique a um blog (oi! sim, né? porque se eu fosse criativa não estaria escrevendo sobre minha vida - que é interessante, eu sei -, estaria escrevendo personagens mirabolantes) ou faça um livro de contos.


O único autor que pode detalhar minuciosamente tudo de tudo e dar um sentido REAL é Kundera. Isso fora os autores de livros de investigação, como Sir Arthur Donan Coyle e Agatha Christie.


Mas, sério: livro chato.
Literatura latina não é comigo, de fato. 

Então.

Nesses 5 anos de blogosfera tive em torno de 7 blogs e a grande maioria não continuou por motivos de: preguiça, superação de fase, mimimi, blablabla, doens't matter.


O fato é que este é um novo bloguinho que traz no título meu lema pra vida: me deixa. O que combina perfeitamente com o que Personare disse do meu ano:
"Mia, este será um ano em que você estará mais afastada das pessoas do que nunca! Sentirá uma necessidade de isolamento, sua seletividade estará em alta. Mas isso não é ruim: não temos de aguentar tudo em nossa vida apenas pela política de boa vizinhança. Como diz o versículo famoso: não dê pérolas aos porcos. Não deixe sua companhia em torno de porcos que não dão valor. Seletividade."
E olha, Personare é realmente ciência exata. Que coisa mais acertada.


Sendo assim, novo bloguinho. Veremos até onde isso vai. 

Inferno Astral 2

Também conhecido por: tudo de ruim acontece em meus aniversários.
Também conhecido por: bad karma.
Também conhecido por: a culpa é das estrelas (literalmente).

Aí que em uma semana consegui a proeza de fazer vinte anos, me livrar de 3 amigos, 3 irmãos, 3 cunhadas e 3 sobrinhos por motivos de igreja e afins (mimimi religioso que fica para outro dia) (preciso realmente falar sobre a persistência do número 3 na minha vida? I don't think so.).
Em compensação, consegui a confirmação de que, de fato, entrei para a faculdade: Pedagogia, aqui vou eu.

Só consigo pensar que daqui a alguns anos pode ser que eu seja a pessoa que estará ensinando os filhotes de vocês. Hunfs. Eu, professorinha. Veremos.

Parabéns para mim.
E que o inferno astral vá embora para todo o sempre, amém.
Oi, eu sou a Mia. E cantaram Parabéns pra Você em meus 20 anos. E sim, eu morri de vergonha. Mas ao menos tinha bolo. ♥ E sabemos que isso é tudo o que importa nessas horas. 

E aí que o inferno astral é tanto que nem percebi que nomeei o post com o mesmo nome do anterior; sendo assim, este aqui será o número 2 porque não ficarei pensando muito em coisas quando tudo nesta época pode ser nomeado da mesma forma. ♥
 
Wink .187 tons de frio.