Sobre a escrita, do titio King

Eu nunca gostei do Stephen King.
E é aqui que você, pessoa que está lendo meu blog, começa a erguer a sua pequena mão para me apedrejar. Mas é verdade. Jamais gostei do King. Seus livros sempre me despertaram apenas um sentimento: preguiça. As histórias são boas, eu tenho de admitir. Mas sua narrativa, não. Há quem diga o contrário, contudo considero a forma de escrita do tão conhecido autor deveras parada, prolixa, chata.

Então é claro que é uma ironia e tanto o fato de eu ter adorado, favoritado, amado o livro do cara que fala justamente sobre a escrita.

~comequié?!~ 
Porém, não houve maneira de eu ficar indiferente ou bocejando após ler isto:

Não estou pedindo que você comece com reverência e sem questionamentos. Não estou pedindo que você seja politicamente correto ou deixe de lado seu sendo de humor. (Deus queira que você tenha um.) Isso não é um concurso de popularidade, nem os Jogos Olímpicos da moral, nem a Igreja. Mas é a escrita, cacete, não é lavar o carro ou passar delineador. Se você levá-la a sério, podemos conversar. Se você não puder ou não quiser, é hora de fechar o livro e ir fazer outra coisa.
Lavar o carro, talvez. 

Eu levo a escrita a sério. Pra caramba. Costumo dizer que só entendo de duas coisas na vida: a arte da confecção de bolos e tudo o que envolve literatura. Sou expert? Longe disso. Mas sou tão apaixonada pelas duas coisas - culinária e literatura - que acabo cada vez mais me aprofundando nelas e, consequentemente, entendendo mais do que a maior parte das pessoas que não lê regularmente ou não cozinha por prazer.

Estava eu na biblioteca da faculdade, apenas esperando a hora passar para ir para a aula, quando decidi ir à biblioteca para ler algo enquanto esperava. Caminhei pelas estantes - um dos meus passamentos preferidos, por sinal - até que algo me chamou atenção: havia um livro do Stephen King lá.


Explico por que isso me chamou atenção: eu estudo em uma instituição católica. Não sei se é por isso, pela política da coisa, mas sei que o fato é que não há livros do titio Stephen lá. Aliás, não há muitos livros de terror, no geral. Sim, eu já os procurei. Mas NÃO.HÁ. Por isso, quando me deparei com o nome Stephen King na estante, fiquei extremamente surpresa e decidi pegar o livro em mãos para saber do que se tratava.


Percebi que era um livro novo. SIM, EU FUI A PRIMEIRA AO LÊ-LO, MUHAHAHAHA. ♥ Já havia ouvido falar sobre ele: Sobre a escrita (Suma das Letras, 256 p.). O título me deixou curiosa, o assunto muito me interessava e, já que eu tinha um tempinho de sobra, decidi sentar num dos bancos da biblioteca e fazer leitura.

QUE LEITURA MARAVILHOSA. Em meia hora, li cerca de 50 páginas. Na volta para casa, li mais 25. O resultado foi que em 3 dias li o livro inteiro. "Ah, mas isso não é tão ligeiro assim." Olha, pra pessoa que faz dois cursos e trabalha como pesquisadora, isso é rápido pra caramba, sim. Devorei o livro sem culpa alguma e só não li mais rápido porque havia coisas para fazer, artigos para ler e uma cama me esperando para dormir. Caso contrário, se já estivesse de férias, ele não teria durado um dia sequer.

"Mas, Mia, o que esse livro tem de tão maravilhoso?"
Miga, deixa eu te contar 3 motivos do porquê você deveria ler esse livro:

1. Para conhecer o titio King.
Todo livro carrega consigo parte de seu escritor. Porém, em Sobre a escrita, há partes demais do cara. Simples assim. Metade do livro é uma miniautobiografia. Stephen conta acerca de sua infância turbulenta, dos primeiros contos que escreveu e de como se deu o processo de tornar-se um escritor. Por quê? Porque ele achou interessante que seus leitores pudessem ter um exemplo real de como um escritor se forma. É simples, é direto. E muito interessante.

2. Para ter noções de escrita. 
Não aquele blablabla técnico que se lê em livros de bibliografia básica do curso de Letras. Não. São dicas importantíssimas de um cara que escreve há décadas e faz sucesso. Eu, assim como ele, não acredito em fórmulas para o sucesso. Acredito em escrever sobre o que se entende, o que se gosta e sempre se divertir enquanto o faz. Simples assim. Ele também acredita em tudo isso - aliás, fiquei bem feliz ao perceber que titio Stephen e eu temos praticamente os mesmos hábitos de escrita diária -, mas acrescenta muitas mais coisas, coisas que, de fato, ajudarão na hora da escrita.

3. Para se divertir. 
Mas esse item é só para aqueles que são apaixonados pela arte de escrever, pela linguística, pela literatura, pela análise textual. Quem não gosta dessas coisas ou até gosta, mas não tanto: bem, esse livro não é para você porque você não achará a mínima graça nele. Como Stephen escreveu: se você levá-la a sério, podemos conversar. É um livro divertidíssimo, e você não precisa ser um ou almejar ser um escritor para tirar proveito dele. Basta gostar de ler e de escrever. Se gostar de tais coisas, não terá problema algum em dar boas gargalhadas com o livro. Caso contrário, ainda poderá ler as 100 páginas de autobiografia e dar boas risadas por conta delas.

Ou seja: o livro vale a pena para todo mundo. Favoritei-o no coração e tentarei ler outras coisas do titio Stephen (já somos íntimos) só porque o cara me conquistou escrevendo sobre a escrita.

Em um quote:
Se você quer ser escritor, existem duas coisas a fazer, acima de todas as outras: ler muito e escrever muito. Que eu saiba, não há como fugir dessas duas coisas, não há atalho. 

7 comentários:

  1. Eu já tinha separados as pedrinhas para jogar em você, mas como você disse que tentará ler outras coisas do titio Stephen e me fez ter muita vontade de ler Sobre a Escrita, vou apenas dizer que gostei muito do post <3 Eu já li uns seis livros dele e gosto muito da escrita do autor, de modo que me interessei por esse livro. Mas, como assim na Puc não tem Stephen King? Achei que vocês tivessem uma biblioteca gigantesca e blablabla

    Beijos, Vickawaii
    http://finding-neverland.zip.net

    ResponderExcluir
  2. Não vou te apedrejar guria, nunca li nada dele sabia? haha mas tenho vontade, acho legais esses livros que falam mais "seriamente" de um assunto ser ser aquele blablabla acadêmico que dá sono de ler. Vou ver se acho em algum canto pra ler também, quem sabe é uma boa iniciação a Stephen King 101? hahah

    beijo!

    ResponderExcluir
  3. Só vi filmes de livros que ele escreveu e sinceramente não acho que ler sobre uma menina que toma banho de sangue de porco e mexe uns fiozinhos pra matar seus colegas seja diferente de vampiro que brilha, mas enfim.

    Esse livro tem tudo pra ser aquele livro autobiográfico tipo o do Murakami, que escreveu "O que eu falo quando falo de corrida" (porque ele curte uma corrida). Autores que escrevem de si mesmos, mas não sobre a vida toda deles e sim de um ponto marcante da vida deles me despertam o interesse - pelo livro respectivo, ok.

    Acho que vou adicionar esse à minha lista de leitura :)

    ResponderExcluir
  4. Guria, então... Há muito tempo peguei um livro do Stephen nas mãos e não consegui ler 50 páginas. Não rolou. Desde lá eu até tive uns pingos de vontade de ler ele (A Torre Negra), mas nunca tive coragem.

    Hoje tava montando minha TBR pra MLI2015 e nos thriller/terror me indicaram ele. Mas de novo: não deu vontade.

    Então prometo que não tenho pedra nenhuma nas mãos.

    Enfim, fiquei com vontade de ler. Parece interessante.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. HAHAHHA não fiquei com vontade de te apedrejar, pois só li O cemitério e, apesar de ter gostado muito, não posso dizer que sou uma grande fã do cara. Pretendo ler outros, mas como ainda não o fiz...
    Li várias críticas positivas de Sobre a escrita e imagino que seja excelente para quem está começando a escrever e também pra quem já tem certa experiência. Realmente você leu bem rápido pra quem faz tudo isso, Mia. Ultimamente estou tão preguiçosa com meus livros que demoro quase uma semana, mesmo com pouca coisa pra fazer.
    Enfim, que bom que decidiu dar mais uma chance ao autor :)

    Beijos,
    Duas Leitoras

    ResponderExcluir
  6. Conheço esse livro, mas nunca o li. Na verdade nunca li nada do King, infelizmente, e tenho muito vontade, apesar de também ter medo de não gostar tanto quanto td mundo diz que gosta. Aliás, é a 1ª vez que vejo alguém que leu King e não gosta do autor, rs. Acho que vou pôr esse livro na lista de leituras, porque também sou apaixonada por literatura e escrita então deve ser bem legal ler dicas/autobiografia de um cara que faz isso como ganha pão.
    Bjs
    sete-viidas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Preciso muito ler algo do King. Sempre bate aquele medo, mas preciso liberar isso e experimentar urgentemente. Adorei suas considerações.

    Luana
    http://psicoselliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

 
Wink .187 tons de frio.