Pro inferno com isso

Um estranho no ninho
Ken Kesey
Editora Record
336 páginas
Ano de publicação: 1962 

Sobre o que é: um cara, chamado McMurphy, é internado num sanatório após ter se metido num monte de brigas na prisão em que estava por conta de ter estuprado uma menina. No tal sanatório ele já chega querendo dominar e com o objetivo de passar o menor tempo possível ali e faturar muito, saindo daquele lugar ryco após ter arrasado com as contas bancárias dos caras lá internados. Então, ele começa uma revolução com várias atitudes infantis contra a enfermeira chefe e elabora um planinho: dar a ela o que todas as mulheres que estão no poder merecem, ou seja, correção sexual - e é nessa parte que a gente vomita. Sendo um cara classificado como psicopata, mas que não passa de um malandro misógino, estuprador e altamente carismático, a coisa ferve naquele sanatório quando ele descobre, em certo ponto da história, que é o único lá que foi internado, o resto está lá porque quer. 

Por que ele é bom? Não pensem que eu odiei o livro apenas por conta do enredo: não mesmo. O livro é bom pra caramba. PRA CARAMBA. Ganhou 5 estrelinhas no skoob, inclusive. Ken Kesey soube descrever muito bem o sistema de saúde mental da década de 60, assim como descreveu muito bem a visão masculina a respeito de mulheres no poder. Digo isso porque, mesmo a gente sabendo que o McMurphy é um estuprador desgraçado e arruaceiro, ainda assim acabamos simpatizando com o maldito. Como todo psicopata, ele é extremamente carismático, e isso pode - e vai - confundir o senso moral de todo mundo. A narrativa é em primeira pessoa e feita através das palavras do Chefe, um cara de uma tribo indígena que acabou sendo expulsa de suas terras pelo que ele chama de Liga e que está lá há muitos anos se fingindo de surdo, ou seja: o cara que tudo ouve, tudo vê, tudo sabe. 

Lá na década de 60 o sistema de saúde mental era basicamente da seguinte maneira: manter tudo em ordem e sem grandes estardalhaços. Então, sim, os métodos aplicados nos pacientes eram cruéis, como a lobotomia - que ainda estava em vigor em algumas instituições - e a terapia de eletrochoque. A vibe era danem-se os pacientes, o importante é manter a máquina funcionando. Ninguém no livro é bonzinho, o que é ótimo. 

~Jack Nicholson tá sempre metido nesses filmes sobre livros que falam de loucura, é incrível~ 

Por que ele é ruim? Porque só temos a visão de um homem extremamente imparcial, relativamente maluco e que se finge de surdo pra passar bem. Como ele é "maluco", vê teorias de conspiração em tudo quanto é canto e acha genuinamente que todos estão contra ele e que o McMurphy é um cara supimpa, tri legal, um amor de pessoa altruísta. A realidade é diferente. A realidade é que a enfermeira-chefe estava ali apenas tentando fazer seu trabalho, gerindo um grupo de homens relativamente perigosos e insanos em graus diversos.

Só que a visão desse cara - o narrador - é tão forte que a pessoa se deixa levar por alguns momentos e desconfia que, realmente, McMurphy é um cara legal. Ah, ele estuprou gurias, não tá nem aí pras regras, tem planinho de dar um estupro corretivo na enfermeira-chefe, mas e daí? Ele é parceiro dos caras. E DAÍ QUE TÁ ERRADO, MEU BEM. E eu já vi muita gente defendendo o cara apesar de todo seu ódio e violência contra as mulheres só porque ele é legal com os caras. OU SEJA: o autor soube trabalhar bem isso.

É a mesma história de Lolita: narrador não confiável que te faz acreditar ser bonzinho apesar de.

Se eu recomendo a leitura? SIM! Porém não é um livro para ser lido duas vezes. Eu dei 5 estrelinhas no skoob pra ele, mas mesmo assim ele não entrou pra lista de favoritos da vida porque não é algo que pretendo reler. Eu lia um capítulo e dava uma pausinha com qualquer outro livro mais ameno pra conseguir respirar e me recompor. É muito violento, pesado e revoltante. Contudo, realmente excelente. (Bem melhor que o filme.)

Em um quote:
Eu nunca havia percebido que a doença mental pode incluir o aspecto de poder, poder. Pense nisso: talvez quanto mais louco um homem seja, mais poderoso se pode tornar. Hitler é um exemplo. Se a gente se sente bem, alguma coisa faz o velho cérebro funcionar de novo, não é? Temos aí um bom tema para reflexão. (p. 247) 

~Hitler era o exemplo dos caras. PERCEBAM.~  

Este post faz parte do Desafio 50 livros de 1900 para ler antes de morrerConfira aqui a lista com todos os títulos que lerei até agosto do ano que vem. \o/   

20 comentários:

  1. Livro FORTE, esse, pelo que parece. Não sei se eu leria porque, pela forma como a mulher é abordada no livro de forma genérica, já me desencorajo. Por outro lado, parece que uma das mensagens do autor é de que estuprador é tudo louco e lugar de louco é num lugar. Bem longe.

    ResponderExcluir
  2. Oie, eu vou indicar esse livro a uma amiga que estuda psicologia. Ela tem grande curiosidade nos métodos usados antigamente. E acho que a história vai ajuda-la.
    Fiquei curiosa para ler, é um tema forte, muito bem explorado pelo que parece!

    Beijinhos, Helana ♥
    In The Sky, Blog / Facebook In The Sky

    ResponderExcluir
  3. Olá, eu não conhecia esse livro ainda, mas já entrou pra minha lista porque ele parece ser bem do jeito que eu gosto, por incrível que pareça eu gosto desses livros com temas mais fortes, sabe? e a sua resenha me cativou!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  4. Olá, às vezes eu que penso que preciso ler um livro como esse mas não sei se eu conseguiria suportar tudo isso, ainda não o conhecia e pelo que você falou eu me interessei, porém é bem como você disse mesmo, leria uma vez para nunca mais.

    ResponderExcluir
  5. Nossa, que livro mais denso.
    Ele é o tipo de livro que nos deixa perturbada.
    É provável que eu não leia, pois ele não se encaixa no meu gosto.

    Lisossomos

    ResponderExcluir
  6. A capa por si só já passa um ar diferente e tenso. Estou lendo uns livros nesse vibe e sei o que está falando. Haha. Esse tipo de livro é rico em tudo, mas muito, muito perturbador. Adorei sua resenha!!

    ResponderExcluir
  7. Não conhecia esse livro, a premissa parece bem interessante. Gosto muito de obras com um fundo psicológico. Já coloquei na lista!

    ResponderExcluir
  8. Oi, tudo bem?
    O livro aborda uma temática bem forte e bem revoltante, então tem que estar bem preparado psicologicamente para realizar essa leitura.
    Eu não estou muito no clima para uma leitura assim e confesso que só de ler sua resenha o protagonista me revoltou, então eu não leria esse livro.

    Beijos :*
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
  9. Eu não conhecia esse livro, mas achei um dos enredos mais interessantes. Não é o meu tipo de leitura, verdade, mas com certeza eu me aventuraria nessa leitura sem medo nenhum.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Olá,
    Já ouvi falar mas nunca tive muito interesse, como você mencionou parece ser um livro bem forte (dos que te deixam com ressaca né). Livros assim temos que ter nosso momento para lê-los, agora não leria mas quem sabe mais pra frente.

    ResponderExcluir
  11. interessante esse livro, me lembrou uma pesquisa que fiz recentemente na faculdade que falava disso, de como eram os manicômios antigos, os atuais.

    ResponderExcluir
  12. Oi. Não senti muito interesse no livro, mesmo assim, vou pesquisar mais informações sobre ele.

    ResponderExcluir
  13. Oi! Tudo bem?

    CARAMBA! Adorei a premissa do livro. E sua resenha está ótima! Pois ressalta tanto o lado positivo quanto o negativo da obra. Vou procurar para ler o livro e ver o filme. Valeu pela dica!

    Beijos,

    Juliana Garcez | Livros e Flores

    ResponderExcluir
  14. Eu não conhecia nem o livro e nem o filme, mas já me interessei. Premissa interessante, capa lindíssima e sua resenha com pontos interessantes ressaltados me fizeram querer mergulhar na leitura.
    Espero ler no futuro.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  15. Achei bem interessante a forma como você disse que o autor consegue através da narrativa influenciar o leitor moralmente. Esse dinamismo, quando bem trabalhado, dá um "quê" a mais para a leitura, a torna mais interessante. Mesmo sendo tão pesado assim, fiquei curiosa com o livro.
    Beijos,
    Dois Dedos de Prosa

    ResponderExcluir
  16. Oi, tudo bem?
    Eu não conhecia esse livro, mas fiquei bem curiosa, porque parece ser uma história bem diferente do que costumo ler.

    Beijos :*
    Larissa - srtabookaholic.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Oie, tudo bem?
    Achei o livro interessantíssimo e mais, fiquei chocada com o enredo de desgraçar a cabeça da gente, mas mesmo assim achei genial. Quero ler, mas assim como você vou ler aos poucos, pra não ficar doente também.
    http://www.leituradascinco.com/

    ResponderExcluir
  18. Oi,
    Um livro bem pesado digamos, confesso que as vezes fujo desses livros, mesmo com sua classificação e sua resenha em si, o livro não seria uma leitura agradável pra mi, ou um tanto fácil.
    Mesmo assim parabéns :)
    Beijos Mari - Stories And Advice

    ResponderExcluir
  19. Oi Mia!
    É mesmo um livro bem pesada e concordo com sua visão. Infelizmente muita gente defende McMurphy só por ele ser "legal com os caras" e isso é só mais uma demonstração de o quanto a violência contra a mulher é naturalizada na sociedade. E daí que ele é um louco estuprador? O cara é gente boa! Só violentou uma mulher... normal.
    Por coisas assim que é realmente difícil gostar desse livro, mesmo concordando que ele é muito bom. Mas como você, não pretendo reler.

    B-jussss!
    http://www.quemlesabeporque.com/

    ResponderExcluir
  20. Oie, tudo bom?
    A narrativa desse livro parece ser bem puxada e não é o tipo de leitura que eu gosto. Parece fazer o leitor pensar, mas não curto a ideia de ler uma história duas vezes para ela me convencer.
    Beijos
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

 
Wink .187 tons de frio.