O senhor da guerra não gosta de crianças

Senhor das Moscas
William Golding
Editora Alfaguara
224 páginas
Ano de publicação: 1954 

Sobre o que é: um avião que levava um grupo de crianças de 5 a 13 anos - fugindo da guerra - para algum lugar não mencionado cai no que parece ser uma ilha deserta, no meio do Pacífico. Não restam sobreviventes além das crianças. Como boas crianças britânicas que são, elas - apenas meninos - se organizam para tentar viver em "sociedade civilizada" e escolhem um líder para si: Ralph, o menino que possui a concha gigante e brilhante. Ele distribui as tarefas entre os meninos: cuidar da fogueira, construir abrigos e a Jack é destinada a tarefa de caçar. Mas Jack alopra loucamente porque pra quê somente caçar se se pode fazer um ritual de selvageria e libertação do instinto primitivo? Então coisas acontecem, coisas muito, muito ruins. 

Por que ele é bom? Demorei muito tempo para me responder a essa mesma pergunta pelo simples motivo de que: não é um livro que me cativou. Melhor dizendo: é um livro que começou a me cativar quando faltavam menos de 50 páginas para finalizar a leitura. Ele é bom porque te desafia a entender que não é apenas uma história de um grupo de meninos isolados numa ilha deserta (Lost feelings). Na verdade, é uma alegoria.

~mas o que diabos é uma alegoria?~

alegoria: 1. uma representação figurativa que transmite um significado outro que o da simples adição ao literal. 2. ficção que apresenta um objeto para dar ideia de outro.

Ou seja, o Golding contou uma história aparentemente simples, cujos personagens são apenas crianças, mas no fundo quis dizer outra coisa completamente diferente - com um fundo político incrível - que só vai perceber quem tiver um certo conhecimento de mundo e fizer uma leitura atenta. Se você não ler atentamente pode ser que não perceba tal alegoria, mas tudo bem: a história é boa mesmo assim.

Basicamente: as crianças querem agir como adultas, provar que são civilizadas e etc. Mas apenas acabam provando que os adultos é que agem como crianças.

Fora que: Lost foi baseado nesse livro. É basicamente o mesmo plot e ao ler cerca de 30 páginas já se pode perceber que Jack foi baseado em Ralph e Locke em Jack. Há várias similaridades, inclusive: O MONSTRO QUE MEXE A ILHA.

Por que ele é ruim? Porque demora a engrenar. Quer dizer, há pessoas que fizeram leitura desse livro em menos de um, dois dias. Mas comigo não rolou tão rapidamente assim. Fora que já nas primeiras páginas a pessoa encontra vários diálogos repletos de gordofobia - um dos meninos é o único cujo nome não é revelado: é chamado de Porquinho o tempo inteiro apenas por ser gordo, e tudo o que ele fala, por mais inteligente e lógico que seja, é risível pra os outros meninos apenas porque todos são magros e ele é gordo.

Porquinho viu o sorriso e o interpretou erradamente como mostra de amizade. Os grandes haviam chegado à opinião tácita de que Porquinho era um estranho, não só pelo sotaque, o que realmente não tinha importância, mas também pela gordura, pela asma, o óculos e uma certa aversão pelo trabalho manual. (p. 72)  

É algo bem pesado, especialmente porque são CRIANÇAS que fazem isso - e crianças podem ser bem cruéis quando não têm a instrução certa, já que o superego não está completamente desenvolvido.

MELDELS, TÔ FALANDO DE PSICANÁLISE NUMA RESENHA, SOCORRO! 

Mas, continuando: também há partes bem nojentas, especialmente aquelas que envolvem a caça: tem uma certa ceninha contendo um porco que, uau, foi uma das coisas mais nojentas que já li.

~selvageria e alegria~

Se eu recomendo a leitura? BAH, MAS CLARO QUE SIM! É um livro que pode te dar um trabalhinho, mas é incrível. E quanto à questão da alegoria: relaxa. Ele é mais do que apenas uma alegoria: é um livro que fala também sobre o nascimento do mal. Não é à toa que o autor decidiu escrever um livro desses APENAS com personagens crianças. É justamente para mostrar como o mal se origina em pessoas "puras" - como muitos pensam que são as crianças. Isso é fato tanto pelo enredo quanto pelo título: Senhor das Moscas é o significado literal de Belzebu. Ou seja: só amor. ♥

Em um quote: 
Talvez - ele disse, hesitante -, talvez haja um monstro... (...) O que quero dizer é, talvez sejamos apenas nós. 

Este post faz parte do Desafio 50 livros de 1900 para ler antes de morrer. Confira aqui a lista com todos os títulos que pretendo ler até agosto deste ano. \o/   

17 comentários:

  1. Olá, o título desse livro é bem curioso e já o vi várias vezes, mas ainda não sabia do que se tratava. Depois de ler sua resenha, não me sinto muito motivada a ler a obra, mas quem sabe um dia eu leia. A temática é interessante.

    ResponderExcluir
  2. Gente, eu sou louca pra ler esse livro! A primeira vez que ouvi falar dele foi numa aula de iluminação com um professor meu - e ele citou justamente essa questão de que o livro é uma puta reflexão psicosocial e devemos ler com a mente bem aberta hahahaha

    E por último mas não menos importante, amei o novo layout! Principalmente a citação no footer. <3

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Um professor da universidade me indicou esse livro, e disse que eu iria gostar, mas nem me falou sobre o que se tratava. Com a sua resenha pude saber mais da história, e vi que estou perdendo tempo de ainda não ter lido o livro.
    https://nerdbookblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  4. Olá,

    esse é um livro que quero muito ler, acho que vou gostar e estou quase comprando. Adorei sua resenha me deu um ânimo para adquirir logo e ler. www.sagaliteraria.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá,
    Opa, o livro no qual se baseou Lost, não pode ser ruim! Buscando-o para conhecer mais sobre ele! Excelente resenha!
    Beijos
    Jana

    ResponderExcluir
  6. eu já li tem muitos anos e pretendo reler ainda esse ano, pra depois ir ver o filme [sim, tem filme dele *-*]... realmente a trama beira o grotesco, e o leitor fica chocado com a forma como as crianças 'perdem' o que há de inocentes nelas e se tornam verdadeiros selvagens... eu achei uma leitura riquíssima, e não me cansei no inicio... ele fluiu bem comigo...
    bjs...

    ResponderExcluir
  7. OI, tudo bem?
    Ainda não conhecia o livro. Acho que não teria problemas com essas partes mais pesadas, e achei que o livro deve ser mesmo incrível. Uma pena que demorou para pegar o ritmo, espero que isso não aconteça comigo o dia que resolver, pois eu realmente me interessei pela obra. Ótima resenha.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Eu não conhecia o livro, nem mesmo o autor, mas não acho que seja um gênero literário que eu leria no meu momento atual!

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oe! Já conhecia o livro, mas nunca parei pra ler, nem sabia que tinha inspirado Lost! Parece super interessante de ler (adjetivo escolhido com cuidado, levando em consideração o que falou de demorar pra engrenar e ser uma alegoria). Ótima resenha! Pode falar de psicanálise sempre que quiser ;)

    Bjs, Cass

    ResponderExcluir
  10. Sempre ouço maravilhas desse livro. Infelizmente ainda não tive oportunidade de ler, mas tenho muita curiosidade pela obra.

    ResponderExcluir
  11. Não conhecia esse livro, mas fiquei profundamente curiosa, você disse que o texto tinha um aspecto político, e eu achando que era psicológico, preciso urgentemente ler esse livro.

    ResponderExcluir
  12. Olá! Achei interessante a sua resenha, gostei muito da forma como você contou história. Confesso que fiquei com aquela vontade de ler *-*

    Beijinho!

    ResponderExcluir
  13. Apesar de eu não estar na vibe desse tipo de leitura densa ultimamente (se bem que tô lendo A Casa dos Espíritos, haha) achei tua resenha ótima e me despertou o interesse pela leitura desse título. Já estava entre as leituras para ser feita ainda nessa vida, mas precisava de um empurrão para desencantar e começar a fazer algo a respeito: coloquei o arquivinho no Kobo! Vamos ver se agora começo. <3

    Já falei que adoro o jeito como faz resenha? Pois está dito agora, adoro!

    Beijo, beijo!

    ResponderExcluir
  14. Analise perfeita sobre esse livro, ele não me interessou em ler, mas seus apontamentos foram inteligentes e ponderados, portanto gostei de saber sobre o livro, através do seu ponto de vista. Bjkas

    ResponderExcluir
  15. Hey,
    Morro de vontade de ler esse livro e sua resenha despertou essa vontade com tudo. Adorei a forma como você colocou cada um dos aspectos da obra e fiquei curiosa com a leitura; gosto de livros que exigem sua atenção para passar a totalidade da mensagem que está embutida no texto. É aquele tipo de leitura que pode abrir sua mente, então eu quero muito!
    Beijos,
    Dois Dedos de Prosa

    ResponderExcluir
  16. Nossa, te cativou quando faltavam 50 paginas para finalizar?
    Que legal, não sabia que Lost era baseado nesse livro, agora fiquei curiosa.
    Achei interessante o livro querer provar o contrário de "o mal se origina apenas em pessoas "puras"".
    Não é um livro que me interessou de imediato, mas colocarei na minha lista de leitura.

    Beeijos, Erica Regina
    Blog Parado na Estante / Fanpage Parado na Estante

    ResponderExcluir
  17. Gostei da resenha. Nunca li o livro e é algo que me incomoda, porque é tão pequeno e me parece tão acessível rs. Mas vi o filme e lembro que vi com uma pessoa que é péssima pra escolher filme e livro, e esperava ser algo muito tosco e fiquei ABALADÍSSIMA e a pessoa que viu comigo (minha tia) não gostou, não entendeu ou whatever.

    ResponderExcluir

 
Wink .187 tons de frio.