Vamos falar sobre o menino Kafka

Carta ao pai 
Franz Kafka
Companhia das Letras
88 páginas
Ano de publicação: 1953 

Sobre o que é: menino Kafka era um moço atormentadinho por seus processos interiores de should I stay or should I go nos costumes de sua família judaica e na tradição de comerciantes que seu querido papai lhe forçava. Ele só queria ser ele mesmo, mas não sabia quem era e ficou com muita mágoa de miguxa do pai porque o cara lhe cobrava um rumo na vida. Aí decidiu escrever uma carta de mais de oitenta páginas pra explicar por que ele era um fracassado e como a culpa de tudo era do pai dele. 

Por que ele é bom? Pra entender a obra do Kafka. Vamos lembrar que Franz Kafka era um menino que escrevia, mas não levava a sério sua carreira como escritor porque probleminhas internos e não queria que publicassem suas coisas. O cara meio que fazia o que nós, possuidores de blogs-diarinho ou contas no twitter, fazemos hoje com menos pudores: escrever mimimi e fanfic de si mesmo pra desabafar e ser uma pessoa funcional no dia a dia, não arrancando cabeças - alheias ou próprias - com uma machadinha. Ou seja: Kafka era gente como a gente. ♥ 

Só que, nessas de escrever fanfic de si mesmo, ele acabou nomeando trocentos personagens como K. Apenas K. E os colocando em situações estapafúrdias, como sendo um inseto gigante cuja maior preocupação não é em como isso ocorreu ou em se livrar das patinhas, mas sim em ir trabalhar e ser querido pela família, e também em ser um carinha trabalhador que um dia acorda e encontra sua casa repleta de gente desconhecida dizendo que ele está sob um tipo de prisão, num processo, cuja origem ninguém sabe dizer. Quer dizer, MUITAS ANGÚSTIAS, claramente. E toda essa vibe prisioneiro de si mesmo kafkiniana é facilmente explicada após a leitura da carta que ele escreveu pra seu pai. 

Por que ele é ruim? MIMIMI. DRAMA. CHORO E RANGER DE DENTES. Meldels, que livro pesado. É tanto sentimento de culpa que dá um troço na pessoa. Menino Kafka se culpava muito por ser da forma que ele era, por ser franzino, por ser esquisito, por ser ligado nas literaturas da vida... Sempre se achou um fracasso, mas aí foi tentar explicar tudo isso pra seu querido pai respondendo à pergunta: 
Querido pai,
Tu me perguntaste recentemente por que afirmo ter medo de ti. Eu não soube, como de costume, o que te responder, em parte justamente pelo medo que tenho de ti, em parte porque existem tantos detalhes na justificativa desse medo, que eu não poderia reuni-los no ato de falar de modo mais ou menos coerente.
Meu amô, se tem algo que eu aprendi nesses vinte e poucos anos de vida é que há coisas que jamais devem ser perguntadas porque desencadeiam uma diarreia verbal de assuntos nada agradáveis e que vão te fazer sofrer e tirar seu sono durante a noite. Mas claramente Kafka, o pai, não sabia disso. E aí que seu magoado filho desatou a escrever e escrever e escrever uma carta extremamente INFP feelings que jamais foi enviada, mas que seu amigo Max resolveu deixar a público após a morte do nosso menino escritor. 

Não é ruim, mas é íntimo demais, real demais, doloroso demais. E nem sempre isso é bom. 

~como eu estava ao terminar o livro~
Se eu recomendo a leitura? Sim, mas não. Sim se você for fã do cara ou quiser conhecer e entender mais sua obra. Não se você estiver num período sensível da vida humana (como, por exemplo, TPM; porque a espertona aqui foi ler isso quando? isso mesmo, na TPM, e aí eram 4h da manhã e eu estava encarando o teto, com lagriminhas correndo pelo rosto e com um namorado preocupado ao lado porque MEU AMÔ, NÃO SEJA LOUCA, SIACALME). É um livro que precisa do timing certo pra ser lido ou de um coração de gelo (nem meu coração aquariano geladíssimo conservou sua geleira, cês vejam bem no que estão se metendo)

Em um quote: 
É que eu já estava esmagado pela simples materialidade do teu corpo. Recordo-me, por exemplo, de que muitas vezes nos despíamos juntos numa cabine. Eu magro, fraco, franzino, tu forte, grande, possante. Já na cabine eu me sentia miserável e na realidade não apenas diante de ti, mas diante do mundo inteiro, pois para mim tu eras a medida de todas as coisas. 
Tadinho do Kafka, gente. Cheio de tormentos & trauminhas.  

16 comentários

  1. Eu adoro o menino Kafka, li poucas obras, mas todas com uma complexidade e questionamentos existencialistas que eu adoro. Bacana você comparar o célebre escritor com um blogueiro que fica de mimimi no blog :P No fundo, aposto que o livro é isso, mas como é do menino Kafka a gente gosta ashduiahsdiua Boa resenha, como de costume

    Beijos, Vickawaii
    http://finding-neverland.zip.net

    ResponderExcluir
  2. MIA HAHAHAHA meu deus eu só de ler o título estava ensaiando minhas desculpas a você (igual o meu querido Kafka com seu pai), dizendo o tanto que amo esse homem e o processo (livro citado por você no post passado ou retrasado) que você abandonou, mas só porque, assim, ele faz aniversário 3 dias antes de mim, deve ser o signo (o bom é que a gente acredita nisso em maior ou menor medida e ninguém revira os olhos quando falamos de signos)... e daí no meio do texto você solta um INFP feelings (eu mesma)!
    Quando li esse livro pensei que provavelmente escreveria mais ou menos o mesmo para o meu próprio pai. E que talvez sejamos assim pela família rígida demais... Enfim, adoro esse sofrimento todo, porque sou dramática, sempre fui. Dos que li até agora, O Castelo me agradou menos, mas ainda assim gostei bastante. E gosto que você tenha lido e indique, com esse cuidado de dizer o que vem pela frente, porque, de fato, ele é um autor muito fácil de ser abandonado, dependendo de como a pessoa vem se sentindo. Ele é pesado, sempre, e sempre nos dá uma sensação de encurralados. Essa angústia eu só aguento porque me sinto mal sem ela, confesso.
    Não vou me prolongar mais, porque deu vontade de escrever sobre ele, e reler algumas coisas. Beijão!
    (Ah, te citei no meu último texto, do dia 15/01).

    ResponderExcluir
  3. "Aí decidiu escrever uma carta de mais de oitenta páginas pra explicar por que ele era um fracassado e como a culpa de tudo era do pai dele." DENIAL E RANCOR, ADORO <3

    ResponderExcluir
  4. Ok agora terminei de ler o post e deixa eu te dizer um negócio: apesar de ter gostado de A Metamorfose (mas tive que ler 2 vezes, um negócio meio síndrome de Estocolmo literário), nunca dei 2 bolacha água e sal pros outros livros dele no geral, tipo nunca fui atrás de ler. Agora deu vontade de ler esse por causa dessa resenha, porque se tem uma coisa nessa vida que me faz ter vontade de ler coisa séria é resenha que NÃO TEM TOM SÉRIO. Só vou seguir a sugestão de esperar estar ~no clima~ porque atualmente não ando PODENDO lidar com desgraçamento de cabeça.

    ResponderExcluir
  5. Oi!
    Já tive o prazer de ler as cartas e amo! Apesar de ser uma leitura um pouco mais difícil - para mim - gosto de me empenhar assim e finalizar. Quem sabe releio <3
    beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem?
    Nunca li nada do autor, mas ele está na minha lista há algum tempo, e com tanto motivo plausível, porque não coloca-lo no topo né?!
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  7. Oiii, tudo bem?
    Eu nunca li nada do Kafka, mas tenho muito interesse, fiquei muito contente de encontrar essa indicação no seu blog, ótima postagem!
    Beijinhos da Morgs!

    ResponderExcluir
  8. Oi!!
    Nunca li nada do autor, essa leitura com certeza não é indicada para mim.
    Nossa é muito chororo, leituras assim não me fazem bem e sou que nem você fico relembrando o que li, choro, não durmo, então realmente não é o momento.
    Beijão!

    ResponderExcluir
  9. Olá,
    Do Kafka eu li A metamorfose e confesso que na época não gostei (já faz um bom tempo) acho que pelo fato de não entender a mensagem que o autor queria passar com a trama.
    Confesso que fiquei bem intrigada para ler essa carta e saber o que afligia esse pobre garoto, mas estou com medo de acabar feito você olhando para o teto kkkkk

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi
    Não sou fã de Kafka, mas uma forte apreciadora da obra, infelizmente, meu original Carta ao pai não está mais comigo, emprestei e a pessoa não devolveu. é um livro que vale releitura

    ResponderExcluir
  11. Parece um livro bem clichê desse tema, mas se você gostou é o que importa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo isso porque eu disse que o livro hot que cê resenhou é clichê? HAHAHAHAHA Miga, isso nem faz sentido pra Kafka, siacalme. Olhe que mágoa no coraçãozinho não faz bem, hein, causa rugas.

      Excluir
  12. Oiie!

    como estou em periodo sensível, vou deixar a dica passar! Não conhecia o autor ainda :)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Oie
    já conhecia a obra mas não sabia bem do que se tratava, gostei dessa pegada sobre ser você mesmo e os outros te impedirem, me identifico bastante, então é uma bela dica pra mim que já está mais que anotada. Ótima resenha

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Tô fugindo de dramas e coisas tristes. Precisando mesmo é de histórias mais inspiradoras.
    Não conhecia o autor.
    Beijos, Aline
    Verso Aleatório

    ResponderExcluir
  15. Olá,
    Este realmente parece aqueles dramas que apertam nosso coração né.
    Até gosto de ler dramas, mas como você disse tem que ter o momento, o qual não é o momento para mim, quem sabe mais pra frente.

    http://euinsisto.com.br

    ResponderExcluir