A guerra não tem rosto de mulher

A guerra não tem rosto de mulher 
Svetlana Aleksiévitch
390 páginas
Companhia das Letras
Ano de publicação: 2016 

Sobre o que é: um dia dona Svetlana, uma jornalista ucraniana, decidiu contar a história que ninguém conta: a das mulheres que lutaram na Segunda Guerra Mundial. Então ela saiu à procura de mulheres bielorrussas que tivessem lutado no Exército Vermelho e recolheu depoimentos delas. Essas entrevistas compõem o livro, que é basicamente uma série de relatos pessoais de como é a guerra das mulheres, a guerra na visão das mulheres e o que elas passaram durante seus anos lutando numa guerra que hoje em dia só é contada por homens. 

Por que ele é bom? Juro que não estou dizendo isso porque faço Jornalismo, mas esse livro deveria ser leitura essencial pra todo mundo. TODO MUNDO. O que a Svetlana fez foi basicamente entrevistar um monte de mulheres que lutaram no Exército Vermelho - o exército russo - e deixar que elas contassem suas histórias. O livro não tem muitos comentários dela, e sim as entrevistas das mulheres mesmo. E isso é incrível porque a vida real pode ser muito mais fascinante do que a ficção e muitas vezes eu tinha de parar a leitura pra me lembrar de que aquilo que está no livro é real, que aquelas mulheres realmente passaram por aquelas coisas e que, por mais absurdas que pareçam, não se trata de ficção.

É muito, muito triste ler todos os relatos dessas mulheres, só que necessário. Ninguém conta a história delas. Durante várias vezes elas falam de como foram desprezadas ao voltarem pra casa e ouvir todo mundo - incluindo as próprias mulheres que não haviam participado da guerra - dizer que elas eram umas vadias que haviam ido pra o front só pra se prostituírem pra os soldados. SENDO QUE ELAS ERAM OS SOLDADOS. Elas não apenas eram soldados como eram comandantes também. Mas é claro que uma mulher sempre será julgada, não importa o que fizer ou onde estiver - mesmo que tenha ajudado a salvar seu país.

Eu achei impressionante as várias mulheres que contaram que durante a guerra não menstruaram, a menstruação simplesmente parou. E também que depois de um, dois dias no front, elas acordavam com os cabelos brancos. Sempre havia ouvido essa história de cabelos embranquecerem ante situações extremas, mas não sabia que era verdade.

Uma coisa que também me deixou MUITO impressionada foi que as mulheres faziam filas pra se alistarem. Ninguém obrigou ninguém. Elas realmente queriam lutar pelo seu país e muitas vezes chegaram a brigar com comandantes pra que as aceitassem. Eu não estava conseguindo entender como em sã consciência alguém quer ir pra o meio da guerra matar ou ser morto, mas aí vi um documentário, logo que terminei o livro, chamado Empire of the Tsars, que conta a história dos 300 anos dos Romanov no poder. O que conta também é como o povo era escravizado. Tinha a elite e todo o resto eram serviçais. As mães dessas mulheres que lutaram ainda tinham vivido sob o domínio dos Czares. As avós delas tinham sido serviçais. Então dá pra entender por que elas amavam tanto o país e lutavam tanto assim pela liberdade: ninguém queria voltar àquele passado, onde tinha um tirano que te tirava tudo e que te escravizava.

Li o livro em 4 dias e só não li mais rápido porque eventualmente tinha de parar pra estudar, comer, dormir e escrever pra o BEDA. É excelente demais e extremamente necessário. Ninguém conta a história dessas mulheres. Nos livros de história a gente não aprende que mulheres lutaram também. O máximo que ficamos sabendo é que elas foram enfermeiras - mas nos é escondida toda a parte em que elas iam pra os tanques, faziam combate corpo a corpo com baionetas e pegavam em fuzis.

Por que ele é ruim? Se alguém vier me falar que esse livro é ruim vai ganhar apenas meu Super Olhar de Desprezo porque claramente essa pessoa ou não leu o livro ou não se interessa pela história das mulheres na guerra - o que eu acho bem esquisito porque COMO NÃO SE INTERESSAR MEU DEUS DO CÉU?!


Você vai gostar se... quer conhecer mais sobre a participação das mulheres na Segunda Guerra, gosta de ler histórias que se passem em conflitos, se interessa por feminismo e GIRL POWER ou é da área do Jornalismo e gosta de ler livros-reportagem.

Em um quote:

Os homens eram vencedores, heróis, noivos, a guerra era deles; já para nós, olhavam com outros olhos. Era completamente diferente... Vou lhe dizer, tomaram a vitória de nós. (p. 156) 

17 comentários

  1. Meu senhor, se já fiquei toda boba lendo a resenha, imagina quando ler o livro.
    QUE.RO.PRA.JÁ.

    ResponderExcluir
  2. Mulheres na guerra? E eu que nem sabia que eles tinham ido como soldados!!! Esse livro foi o livro do mês do Leia Mulheres da minha cidade,mas eu não li e não consegui participar. Vou começar a ler agora, sério

    ResponderExcluir
  3. Mia eu amaria ler esse livro menina, na maioria dos livros que encontramos, até didáticos escondem as mulheres, não costumam contar seus atos e o que fizeram durante as guerras, essa seria uma ótima leitura e eu sei que me encantaria, além disso, essa capa está linda.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. eita resenha do caralho (desculpa o palavrão), mas fiquei louca pra lÊ-lo, amo histórias que se passam na segunda guerra, e sempre é maravilhoso conhecer mais das mulheres maravilhosas que viveram nesse mundo. Já falei que amo muito esse gifs de new girl?? <3

    (desculpa o spam, mas tem sorteio de livro rolando no meu blog, se quiser dar uma olhadinha)

    Blog Entre Ver e Viver

    ResponderExcluir
  5. MIAAAAAAAAAAAAAAA
    Eu já estava louca para ler esse livro, agora fiquei mais louca ainda. Parece ser maravilhoso, do tipo que faz a gente se revoltar. Só com o que você disse e com essa quote super triste, já tô querendo roubar uma TARDIS para ir dar uns tapas e chutes em quem não valorizou essas mulheres incríveis.

    ResponderExcluir
  6. A tua resenha resume tudo o que eu senti lendo esse livro. Que livrão da porra, sério. Eu tô muito pilhada pra ler "O fim do homem soviético", porque depois de ter lido "O túmulo de Lênin", eu quero entender melhor porque os russos tiveram tanto medo de dizer adeus à URSS, mesmo sabendo que já estava corrompida até a raiz dos cabelos. Acho que ler os depoimentos dessas pessoas pode ajudar.

    Ontem terminei de ver "Empire of the tsars" e MUITO OBRIGADA PELA INDICAÇÃO <3

    Eu não gosto de história do século XIX pra baixo, mas esse documentário me fez repensar um monte de coisa. E vontade de ler Turgueniev também, minha professora de literatura russa falava maravilhas sobre ele. Enfim, mais uma indicação ótima tua.

    Beijos!

    Jessica (logada em outra conta, mas é a do Tronco que fala mesmo)

    ResponderExcluir
  7. Tô para ler mulher, estado e revolução, e mulheres, raça e classe. Vou completar uma trilogia com esse daí, hein! Amei. Tem que ser muito divulgado. Discutido, e tudo o mais. Adoro a sensação de achar que livros tais são essenciais PARA TODO MUNDO, tenho com alguns e onde dá falo deles.

    ResponderExcluir
  8. Estava mesmo esperando sua opinião sobre ele e só fiquei com mais vontade de ler. Espero ler em breve, porque quero sentir essas mesmas coisas. É realmente um choque quando percebemos que tudo aquilo aconteceu de verdade. Fiquei mais chocada ainda quando soube que as mulheres simplesmente pararam de menstruar, pois não tinha conhecimento disso.

    Deve ser uma leitura sensacional.

    ResponderExcluir
  9. MDS!! Que livro incrível!! Já quero pra ontem! O fato da obra se tratar de algo real só aumenta meu interesse, as mulheres sempre foram diminuídas e desprezadas, principalmente em um contexto guerra, mas ser uma "história que nem conta" se torna um livro mais que necessário para todos. Amo contexto de Segunda Guerra e amo a força das mulheres, já dá pra ver que os relatos são bem chocantes. Já entrou pra wishlist sem dúvida.
    Beijos do Wes ^^

    ResponderExcluir
  10. Adorei este seu olhar de desprezo... kkkk
    Não conhecia o livro, e como gosto de livros com o tema da segunda guerra, com certeza vou querer ler, ainda mais por ser histórias verdadeiras. Obrigada pela dica
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
  11. Que dica incrível de leitura!
    Eu ainda não conhecia essa obra e já coloquei na lista de futuras compras, adorei ver um livro assim e espero ler em breve. Gostei muito da sua resenha.

    ResponderExcluir
  12. oieee
    não me interesso muito por assuntos das guerras, ou jornalismo, porém achei muito interessante sua resenha e seu ponto de vista, acho maravilhoso quando alguém dá voz aqueles que não estão tendo, com certeza leria esse livro por conta da sua resenha.
    beijos

    ResponderExcluir
  13. Olá, tudo bem?

    Eu não conhecia esse livro e pude perceber que você ficou envolvida, parece ser uma leitura das boas. Eu gosto de livros e filmes que abordem a segunda guerra mundial e por isso vou anotar a sua dica.
    Abraços

    ResponderExcluir
  14. Já tem um tempinho que quero ler esse livro. Só tenho lido resenhas que apontam aspectos positivos desse livro. Acho que esse é mais um livro que trata do apagamento das mulheres nessa sociedade patriarcal. E como é fundamental livros assim, que dá voz as mulheres.

    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Oi, tudo bem?
    Não conhecia o livro e provavelmente nem leria, mas achei ele bem interessante, não vejo muitos livros que falem sobre a participação das mulheres na guerra.
    Bjs

    ResponderExcluir
  16. Eu achei o livro muito fora do que eu costumo ler, mas ao memso tempo muito interessante, acho que eu teria coragem de dar uma chance.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  17. BOTANDO ESSE LIVRO NA TBR LIST JÁ. Eu tenho um fraco por livros de guerra e essa é uma história que nunca ouvi. Preciso conhecer, de fato. Precisamos, todos nós!!

    ResponderExcluir