Adeus Atlântida, olá Avalon - Os ancestrais de Avalon

Os ancestrais de Avalon
Marion Zimmer Bradley e Diana L. Paxson
437 páginas
Rocco
Ano de publicação: 2005 

Sobre o que é: depois das trocentas profecias, Atlântida está finalmente ruindo, com mais terremotos a cada dia e uma população que ainda não se deu conta do perigo e insiste em permanecer por lá. Micail e Tiriki, príncipes e sacerdotes de Ahtarrath, o último dos Reinos do Mar, tentam desesperadamente salvar o povo e arranjar navios para que possam escapar à destruição de tudo. Quando finalmente conseguem salvar alguns poucos, acabam numa ilha cheia de tribos estranhas, mas que guardam mistérios que levarão diretamente a um destino maior, ao surgimento de Avalon.

Por que ele é bom? Quando a gente lê As Brumas de Avalon, acha a história incrível, maravilhosa e blablabla, mas não sabe exatamente como aquele povo chegou ali, como aquela sociedade de Avalon, que é tão diferente dos britânicos ao redor, se estabeleceu, se formou. E o legal disso é que o Ciclo de Avalon é todo feito com base em reencarnações, todas as personagens que desempenham papéis centrais vão indo e voltando conforme os livros, em corpos diferentes mas com destinos parecidos.

"O mais verdadeiro destino não era algo a ser realizado numa única vida, mas um propósito maior que se apresentava uma vez após a outra, ao longo de muitas vidas." (p. 389) 

Em Os Ancestrais de Avalon, Atlântida foi engolida pelo mar e agora o povo que restou se dividiu e conseguiu fugir em barcos, só que parte dele parou numa ilha misteriosa e bizarra e a outra parte parou numa outra ilha próxima, só que já meio que conhecida e com rota de comércio e blablabla. Quem parou nessa foi Micail e a maior parte dos sacerdotes de Atlântida, juntamente com Tjalan, que é um príncipe do mal, super ganancioso que quer destruir o modo de vida do povo das tribos e construir uma nova Atlântida. VIBE ERRADA, TJALAN, VIBE ERRADÍSSIMA. Já quem foi parar na primeira ilha foi Tiriki, a princesa/sacerdotisa de Atlântida + acólitas dela (meninas que estudavam para ser sacerdotisas) e Chedan, o primeiro Merlin. Eles, que não eram nada burros, se deram conta de que é importante se respeitar o espaço dos outros e pediram permissão pra viver num canto, aprendendo a cultura do povo das tribos e compartilhando a deles.

Claro que é o grupo de Tiriki que tem contato com a Deusa e está no lugar certo pra se tornar Avalon, no meio das brumas e o grupo do Tjalan babacão se ferra porque babacas querendo dar uma de colonizador aaaaaaah.

Tiriki é a melhor personagem do livro, juntamente com Chedan. Ela é forte, decidida e comanda tudo sozinha mesmo, já que seu marido sempre foi mais fraco mais dado a longas discussões do que a ações. Quando Micail tenta dar ordens pra ela, por serem casados, ela diz ESCUTA AQUI, COMIGO NÃO, o que é simplesmente sensacional, ainda mais se a gente pensar que o livro se passa cerca de 2000 anos antes de Cristo. Aliás, nas Brumas, Igraine, mãe de Morgana e de Arthur, sempre foi a minha personagem preferida - e ela é a reencarnação de Tiriki! ♥ As coisas se encaixam perfeitamente.

Aliás, tabelinha de reencarnações (pra quem já leu As Brumas de Avalon): 
Tiriki - Igraine 
Micail - Uther Pendragon 
Tjalan - Mordred 
Chedan - Merlin 

Por que ele é ruim? Ele não é ruim, só que não foi escrito somente pela Marion. Na verdade, quem escreveu a maior parte foi a Diana L. Paxson, amiga da Marion, que juntou os pedaços que ela deixou soltos antes de morrer. Então, dá pra perceber o que a Marion escreveu e o quando foi a vez da Diana. O que não é necessariamente ruim, só que é um ritmo diferente de escrita/leitura. Mas nada que realmente atrapalhe.

Você vai gostar se... gostou ou tem interesse em As Brumas de Avalon ou A Queda de Atlântida (1 e 2), sempre teve curiosidade de saber o que diabos aconteceu com Atlântida, gosta de um romance histórico, histórias com gente que se perde em longas viagens, altos problemas em lugares estranhos, histórias que se passam em ilhas, culto à Deusa ou mulheres tomando a frente na liderança.

IMPORTANTE: Não é preciso ter lido outros livros do Ciclo de Avalon pra ler esse. Você pode começar por esse e ir lendo outros se quiser, ou pode simplesmente ficar nesse. O bacana das histórias de Avalon é que se pode ler todas, apenas uma ou nenhuma e não se sentir perdido mesmo assim. :)

Em um quote:
Os segredos serão perdidos e o conhecimento aos poucos se apagará. Atlântida irá se tornar uma lenda, um rumor de glória em desvanecimento, e uma advertência para aqueles que quiserem manipular poderes nunca destinados a ser compreendidos pela humanidade. (p. 431) 

19 comentários

  1. Eu pesquisei pra começar a ler o Ciclo na ordem correta.
    Estou lendo A Casa da Floresta, ou melhor, meio que parei pois não é o livro em si, mas um PDF, então não sei, tá bem mal organizado. Vou ter que procurar outro :x
    Estou curiosa para entender direitinho essas reencarnações!!
    Adorei a resenha :*

    https://razao-e-emocao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oii tudo bem?
    Eu tenho a série das brumas de avalon completa, porém ainda não li. Quem sabe seja uma boa pedida começar esse que tu trouxeste a resenha, pois o começo parece ser meio perdido mesmo, ótima dica e adorei a sua forma de escrever resenhas.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Sempre fui apaixonada po M.Z Bradley.
    Tenho vários dela , inclusive Avalon e A queda de Atlandida
    Quero agora!

    ResponderExcluir
  4. Oi, Mia!
    Já li As Brumas de Avalon e simplesmente adorei! Infelizmente a tradução meio que se perdeu de um volume para outro (li aquela versão dividida em 4 livros). Não sabia das encarnações e agora fiquei curiosa sobre as semelhanças entre os personagens desse livro e do outro. Será que vão lançar uma nova versão? (aparentemente a saga será relançada).
    Bjs!
    Por essas páginas

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem?
    Nunca me interesse por As Brumas de Avalon, até uns dois meses atrás e espero ler em breve, e achei este livro bem legal, pois gosto de histórias que mostram algo que aconteceu no passado de boas histórias;
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Faz tempo que As Brumas de Avalon está na minha lista, mas ainda não consegui ler. Não gostei da ideia de reencarnação, sinceramente não acredito nisso, talvez por isso não me senti animada em ler esse. Mas aos demais, com certeza lerei! Valeu!

    www.viagensdepapel.com

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Adorei suas impressões, mas confesso que nunca tive vontade de ler essa obra, acho que só por não ser o gênero que curto ler mesmo. Mas fica nítido que é uma trama que é sempre muito falada entre os amantes do gênero!
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  8. Eu não conhecia o livro e achei meio confuso, não consegui me interessar pela leitura, sei lá, a premissa não me agradou. Achei a sua resenha muito sincera e objetiva.

    ResponderExcluir
  9. Oii tudo bem?
    Quero muito ler As Brumas de Avalon, não sabia que existiam outros livros. Já coloquei esse na minha listinha também, adoro livros nesse estilo. E já adorei a Tiriki! Quero ler os livros logo para saber mais sobre as reencarnações hehe
    Beijosss <3
    Páginas Empoeiradas

    ResponderExcluir
  10. Eu ainda não li As Brumas de Avalon, mas tenho interesse, por isso este livro me chamou sim atenção, pois é bom, pelo menos na minha opinião entender todo o antes da história, como você bem salientou.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  11. Sempre quis ler As Brumas de Avalon, mas nem sei o motivo de sempre deixar pra depois. Na verdade acho que sei, tem a ver com a questão da pedofilia da Bradley e do marido. Eu sei que a gente tem que separar as coisas, mas é que acaba me influenciando.

    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Eu adoroooooo As Brumas de Avalon!! Já li todos os livros anteriores ao ciclo propriamente dito e Os Ancestrais de Atlântida é um de meus favoritos!! Ai, que livro bom! Ler sua análise me deixou com uma nostalgia enorme! *____*

    ResponderExcluir
  13. Oi. Desde que tive a matéria de Literatura Inglesa na faculdade comecei a me interessar pelas Brumas de Avalon e toda a história que envolve a trama. Fico até perdida e nem sei por onde começar, então depois que li seu comentário de que não ficamos perdidos ao realizar alguma das leituras, já me empolguei rsrs Resenha excelente e dica anotada!

    ResponderExcluir
  14. Oi Mia! Não conhecia esse livro e achei bem diferente ler algo que aconteceu antes de Cristo, acho que nunca li nada do tipo. É uma indicação que me interessou. Adorei a resenha

    ResponderExcluir
  15. Oi, tudo bem?
    Não conhecia a série, confesso que o enredo não me atraiu tanto.
    Ficou feliz que tenha gostado, interessante saber que posso ler fora de ordem.
    Vou anotar a dica pra uma outra hora.

    Beijos

    ResponderExcluir
  16. As Brumas de Avalon são os favoritos de uma amiga minha, mas nunca tive interesse em ler, mas acho as capas lindas. Mesmo não sendo um livro que irei ler, gostei muito da sua resenha, foi objetiva e explicativa, nos colocando dentro da trama. Boas leituras e até a próxima.
    beijos

    ResponderExcluir
  17. Oii
    Quero muito ler as Brumas de Avalon! Gostei de saber sobre esse livro! Dica anotada para quando eu ler os outros, ler esse também e ficar sabendo mais sobre toda a história e universo.
    Bjus

    ResponderExcluir
  18. Olá, tudo bem?

    Eu tenho aqui os livros das Brumas de Avalon, pela editora Imago se não me engano, comprei tem alguns anos e nunca li. Gostei da sua resenha, mas não sei se vou ler esses livros, a Bradley e o marido eram pedófilos, abusaram da filha e de diversas outras crianças. Toda vez que fico com esses livros em mente para ler, me vem essa história. Talvez um dia eu leia!
    Bjus

    ResponderExcluir
  19. Mia, nunca tinha ouvido falar desse livro.
    Tenho muita curiosidade sobre a história de Avalon e Atlântida, então acredito que irei curtir a leitura.
    Vou anotar a indicação.

    ResponderExcluir