A insustentável leveza do ser

A insustentável leveza do ser
Milan Kundera
344 páginas
Companhia das Letras
Ano de publicação: 2017 

Sobre o que é? Tereza tem uma vida bem medíocre com uma mãe abusiva e um emprego horrível, mas está sempre com um livro debaixo do braço pra ler historinhas e fugir daquela vida dela. Tomas é um cirurgião bonitão, mas ordinário, que pega todo mundo e tá 100% nem aí. Quando os dois se conhecem, acontece o encontro dos opostos: do peso e da leveza. Tereza leva a vida a sério, tudo pra ela é pesado. Pra Tomas, a vida é fácil e descomplicada e tudo é muito leve. Mas coisas acontecem quando a Tchecoslováquia é invadida pela URSS e todo mundo se ferra, trocando de papéis entre peso e leveza, entre melhor e pior e mostrando que o ser humano tem diversas facetas e ninguém é bom ou mau, apenas tenta agir da melhor maneira de acordo com a situação. 

Por que ele é bom? MELHOR. LIVRINHO. QUE. JÁ. LI. A primeira vez que li A insustentável leveza do ser, tinha 18 anos e fiquei tão obcecada que o reli algumas vezes naquele mesmo mês. Só que a Mia de 18 anos era uma pessoa bem diferente da Mia de agora e eu tinha muito medo de reler esse livro e ver ele se desencantar totalmente pra mim. 

Bem, isso não aconteceu. O que aconteceu é que tive uma experiência completamente diferente de leitura. Aos 18, me achava uma Tereza tentando ser Sabina. Agora, vejo claramente que sou muito mais Sabina do que Tereza. Mas quem diabos são Sabina e Tereza? Vamos lá.

Tereza é uma garçonete do interior com uma família complicadíssima e que se esconde atrás de livros (especialmente do Tolstói e do Thomas Mann) pra poder escapar daquela vidinha que ela era obrigada a viver. Ou seja: Tereza é gente como a gente, gente que lê pra não lidar com a realidade porque cheeeeega de gente escrota e mal educada. Um dia, ela acaba servindo um conhaque pra Tomas, um médico que morava noutra cidade e tava ali só de passagem. Mas, como ele estava lendo um livro ela ficou completamente encantada porque a. ele era um estranho, não os bêbados nojentos do dia-a-dia; b. ele tava lendo um livro, coisa que ninguém havia feito antes naquele bar. Obviamente Tereza ficou apaixonadinha, mas Tomas era safado e traía ela compulsivamente com qualquer mulher que encontrasse.

~Tomas safado seduzindo Tereza com literatura E QUEM É QUE RESISTIRIA, não é mesmo?~
inclusive, depois do filme que foi feito desse livro, o Kundera proibiu que fizessem filmes ou peças de teatro de seus livros; não culpo os atores, que estavam até bem okay, mas não tem como fazer um filme de um livro desses parecer coerente: é o tipo de livro que se lê, não se vê 

Uma dessas mulheres era Sabina, a amiga erótica de Tomas. Sabina é uma pintora que se separou do marido e foi viver a vida sozinha, pegando quem quisesse, quando quisesse e não se apegando a ninguém porque pessoas, elas dão trabalho e fingem demais. Sabina não suporta a ideia de viver na mentira, então é super aberta e sincera quanto a tudo e faz o que bem entende, da melhor maneira possível.

O incrível nesse livro é que se tem 2 casais: Tereza e Tomas, Sabina e Franz, e ambos são o inverso um do outro. Tereza e Franz são os "pesados", aqueles pra quem a vida é muito séria e os sentimentos são algo importantíssimo. Eles são regidos pelo coração. Já Sabina e Tomas não. Eles são a "leveza" da história, sempre seguindo em frente e fazendo seu melhor sem se preocupar muito com os outros. Mas aí que entra a questão: o que é melhor, o peso ou a leveza?

Claro que o livro não fica só nisso, mas essa é a questão central. Todos os outros pontos acabam convergindo pra essa questão de ser uma pessoa leve como uma pluma e não ter raízes ou ser uma pessoa pesada, pregada ao chão, com raízes gigantescas.

Só que Kundera não pára por aí: no meio de tudo isso tem o contexto histórico do que ele próprio viveu, da invasão da URSS à Tchecoslováquia, dos exílios, das pessoas passando necessidades, da polícia secreta bem louca e horrorosa atrás de todo mundo que pensasse diferente (não vamos esquecer que pensar era um crime pra época, como bem retratou George Orwell em 1984).

Cada vez que você lê esse livro percebe coisas diferentes e cada passagem faz a pessoa refletir sobre algo. Eu amo demais esse livro justamente por isso: não é apenas um livro, são escritos de um cara que estava usando personagens pra tentar entender o comportamento das pessoas e também registrar memórias do que havia acontecido com seu país, do que ele teve de fugir pra não ser morto, antes que acabassem todos os registros.

É lindo, lindo, lindo e vale muito a pena ser lido sempre.

Por que ele é ruim? Não tem nada de ruim nesse livro e se vocês me disserem que ele é chato por misturar filosofia, história, política e romance vou apenas lhes dizer que: esperem mais um tempo e façam uma releitura. Tem histórias que precisam ser lidas na hora certa.

Você vai gostar se... gosta de romances históricos, de livros que misturem várias coisas (filosofia, política, história de amor, tudo lindamente junto), de narrativas em que o autor pára tudo e começa um monólogo falando sobre algo que parece fora de contexto mas que está super dentro do contexto e a gente só vai entender dali a algumas páginas, de personagens humanos, que não são nem bons nem maus, mas gente como a gente ou se é fã do Kundera (feito eu).

Em um quote:
"Seu drama não era de peso, mas de leveza. O que se abatera sobre ela não era um fardo, mas a insustentável leveza do ser." 

~livro recebido em parceria com a editora~

26 comentários

  1. Li o livro e foi uma leitura complicadíssima... Escrevi uma resenha bem mista pra ele, que ainda vou publicar, mas é bom ler o texto de alguém que amou pra gente entender que o problema é o timing.

    Quem sabe um dia releio e encaro a história com leveza?

    ResponderExcluir
  2. Oi, Mia. Primeiro, adorei a resenha. Segundo, tentei ler o livro quando tinha 16 anos e não consegui continuar porque, como envolve filosofia e política, acho que não tava muito preparada pra leitura, sabe? SÓ QUE, como acompanho as coisas por aqui, vejo que cê ama muito A Insustentável Leveza do Ser e eu confio nos teus gostos, já ouvi falar bem e bastante sobre ele e sempre digo que vou pegar pra ler.

    Talvez, a eu de 20 anos, muito mais disposta a ler livros envolvidos com filosofia e política, se perca nessa história e se apaixone como você, porque parando pra pensar parece uma experiência maravilhosa. Se ele trata de todos esses outros temas que cê citou, eu com certeza me sinto mais impulsionada a lê-lo.

    <3

    ResponderExcluir
  3. Quero ler, uma vez vi um num sebo, capa lindinha, mas timha uma cara de ser enfadonho. Mas com sua resenha, me interessei.

    ResponderExcluir
  4. AMEI a sua resenha, esse livro já adicionei a minha lista de leitura.

    ResponderExcluir
  5. Nossa AMEI a resenha já vou add a minha lista, me interessou bastante 😉

    ResponderExcluir
  6. oieee
    já vi a obra mas não sabia bem sobre a história, não curto muito filosofia mas acho que gostaria de ampliar e sair da zona de conforto, e acho que esse livro seria o ideal, gostei muito de ver o que achou do livro.
    beijos

    ResponderExcluir
  7. que capa maravilhosa <3
    já falei por aqui que é um dos livros preferidos da minha vida!

    Com amor,
    Bruna Morgan

    ResponderExcluir
  8. Eu sempre, sempre, sempre quis ler esse livro mas em todas as resenhas falam disso de ser lido na hora ser e que é meio bagunçado com coisinhas que vamos entender só em outras páginas e eu sou tão lerda e tão nova-que-pensa-saber-de-tudo pra isso????? aiaiaia beijo!

    Ray e os Dezoito

    ResponderExcluir
  9. Eu li ele quando eu tinha uns 17, dando uma de Tereza e lendo pra escapar da realidade, mas não me lembro de muita coisa. Eu tava com a cabeça meio agitada na epoca e não conseguia focar. Peguei ele pra reler e estou carregando na mochila há um tempo, mas só hoje comecei a ler os primeiros capítulos. Sei que vou levar umas porradas dele, mas quero ler de novo ainda assim.

    ResponderExcluir
  10. Já li muito a respeito deste livro, mas eu mesma, ainda não o li. Pelo que li aqui,, é daqueles livros que levamos para vida...
    Bjs, rose.

    ResponderExcluir
  11. Olha, confesso que mesmo você sendo apaixonada pelo livro e tendo aproveitado demais a leitura em épocas diferentes da vida, não é o tipo de livro que me atrai. Talvez ainda chegue o meu momento de fazer leituras assim, mas ainda não acho que seja a hora certa para mim. Não curto essa mistura de história, filosofia, política e tal, mas de repente um dia vai se tornar meu tipo preferido de livro, vai saber.

    ResponderExcluir
  12. Eu preciso reler esse livro, Mia! (E essa edição, menino do céu, é linda demais). Lembro de ter lido e amado muito, me identificado HORRORES com Tereza (as tretas com as mãe dela, jesus, tem uma frase aí nesse livro que me esclareceu muita coisa) e ficado feliz porque era um dos primeiros livros aclamadérrimos que eu tinha gostado também. Talvez realmente esteja na hora de reler e ver se minha perspectiva ainda é a mesma??
    Em compensação, nunca li os outros livros do Milan, aceito suas recomendações viu <3 <3

    ResponderExcluir
  13. eu nunca li :(
    mas cara essa resenha me tirou o folego, e eu já tinha ouvido falar desse livro, mas nunca tinha visto resenha nem uma, então estou baixando agora, por quê fiquei me coçando pra ler tudinho pra já!

    Blog Entre Ver e Viver

    ResponderExcluir
  14. Eu já tinha ouvido falar do título livro, mas achei que era na verdade uma peça de teatro. o.o'
    Agora fiquei curiosa, parece realmente ser uma obra-prima e sua paixão por ele me fez querer ler! rsrs
    Bjos!
    Por essas páginas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Não conhecia o livro, fiquei curiosa para conhecer a história. Legal criarem essa diferença entre a leveza e o que seria pesado, mostrar em forma de casais, também achei interessante o contexto histórico que o livro apresenta. Beijos

      Excluir
  15. Uau, que resenha! Fui fisgada logo no início e só fiquei pensando em como essa história é incrível e como você transmitiu cada sentimento! Eu que não li, sinto que amo essa história! Uma super recomendação que anotei e já priorizei! Parabéns!

    ResponderExcluir
  16. Adorei a sua resenha, mas acho que nunca serei convencida a ler esse livro.
    Tenho uma edição dele aqui em casa, mas cresci com meu pai dizendo que o livro é uma bo$t* e minha mãe dizendo "não leva no sebo não que eu quero ler", resultado? O livro ainda está por aqui, ninguém mais leu depois do meu pai. Conservamos pelo simples fato de ser um livro, mas eu mesma não tenho interesse em ler.
    Me surpreendi quando vi que gostou tanto.
    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Oi!!
    Gostei da capa. Nossa os personagens são bem o oposto um do outro.
    Já ouvi falar desse livro, mas nunca me imaginei lendo ele, mas agora que li a tua resenha
    fiquei bem interessada em conferir a leitura.
    Cou confessar que eu não gosto de romances históricos, mas acho que daria uma chance a essa história.
    Beijão!

    ResponderExcluir
  18. Oi, tudo bem?
    Não conhecia o livro, mas confesso que ele não me chamou atenção, acredito que não seja o público alvo dele.
    Bjs

    ResponderExcluir
  19. Olá, tudo bem?
    Não conhecia esse livro e fiquei mega interessada com sua resenha, eu me considero um pouco das duas, haha.
    Anotei a dica, irei pesquisar mais um pouco, beijos!

    ResponderExcluir
  20. Olá Mia, eu não conhecia o livro, mas fiquei mega curiosa para lê-lo, adoro quando os autores trazem vários pontos para convergir trazendo uma reflexão =) Adorei a dica.

    ResponderExcluir
  21. Bela resenha, não conhecia o livro mas gostei de saber o que ele aborda e como aborda, fazer reflexão é sempre bom não é? Parabéns pelo trabalho.

    Beijos

    ResponderExcluir
  22. Olá,
    Não conhecia a obra, mas fiquei muito feliz com a oportunidade.
    A premissa é muito interessante e estou curiosa para ver como Kundera desenvolveu cada um dos dois casais que são opostos.
    Achei intrigante que Kundera tenha proibido utilizarem-se do livro para produzir outras mídias como filmes ou peças.

    LEITURA DESCONTROLADA

    ResponderExcluir
  23. Sendo bem sincera, eu achei o livro interessante e parece ser uma boa leitura, mas não é algo que eu leria no momento. Não é uma narrativa ou um enredo que me prenderia, entende?

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
  24. Mia do céu! Terminei o livro ontem e concordo 100% com você: que livro maravilhoso! <3

    ResponderExcluir
  25. Oi, mia. Eu li esse livro aos 13/14 anos pq vi aqui mesmo no seu blog. E ai? Eu de 14 anos detestei. Não entendi nada. Achei chatíssimo.

    Estou aqui relendo e entrei no post pra ver um pouco mais. Tô impressionada porque parece que era tudo o que eu precisava ler. Esse livro. Sério.

    Obrigada por me indicar ele (mesmo que indiretamente) aos 13/14. Hoje em dia é uma das minhas melhores leituras.

    ResponderExcluir